Páginas

domingo, 16 de março de 2014

Transformers: Uma Máquina Para Porcos | Capítulo 06

Entrei em um escritório, que tinha um abajur verde lindo. Nem me lembrava desse lugar. E também, junto...ouvia uns baralhos estranhos que me assustavam. Não tinha nada aqui, como sempre, mais enfim...entrei em outra ala, desta vez na sala de administração e mais uma vez eu me assusto com o telefone tocando.

-Tenho visões para compartilhar com você. Basta tirar a corda da minha boca e tirar a venda de meus olhos. Limpe-me Optimus, para que um dia, nós dois pudermos dominar esse mundo.

Que horror. O que ele queria comigo? Enfim...mais uma daquelas estátuas de porco. Que coisa...odeio isso. Quando eu andava, uma música macabra começa a tocar. Estou assustado. Muito assustado. Olhei para algumas gavetas e na primeira...óculos, sangue e dentes...dentes...dentes que eu arranquei de humanos inocentes mais não vamos acatar o passado agora. Uma carta? No meio dos dentes? Bizarro, mais vamos ver o que tem.

22 de Agosto de 2009
Na América, eles pretendem fazer as cidades irem aos céus. Para mim, isso é tolice. Mais talvez seja apenas porque eles são uma nação fundada sem história própria. Nós caminhamos sobre nossas histórias. Eles estão limitados á marga sobre nossos pés. Os nossos engenheiros falam sobre isso. Eles falam, de como construir os trens subterrâneos, entravam túneis mais antigos, atravessando a capital.
Que tipos de palácios estão abaixo de nós? Estamos cavando, cavando, escavando e reapropriando o que encontramos. No centro do planeta, segundo meu arquiteto, há uma grande bola de ferro. É o ovo do mundo.

 Mais outra carta no meio desse lugar e dessa música macabra.

1 de Maio de 2009
Mas então, e se eles conseguissem ficar de pé e andar que nem os humanos, ou nós? E se colocarmos arreios nos brutos? Será que eles cantariam e encontraíram seu próprio Deus? 
Já vi esses seres e digo a você que não. Eles não fariam isso. Mais eles aceitarão com felicidade serem fiéis a um Deus imposto a eles e o adorariam. Nesse ponto, eu percebi, que eles são diferentes das massas. Eles são praticamente como nós.
Assim que esse limiar irrevogável for superado, suponho que também estejamos atados e precisaremos de liberdade. Para libertar o homem, nós matamos o homem. Para cruzar a grande linha evolucionária, primeiro ela deve estar marcada no chão.

Andando por aí, nossa, me deu uma vontade de tirar a água do joelho. Então, vamos ver se tinha um banheiro por aqui. Vamos ver. Legal, achei um mas...não tem papel higiênico. Pô, que sacanagem.  Bom...vamos continuar né.

Nenhum comentário:

Postar um comentário