Páginas

sábado, 22 de março de 2014

Transformers: Uma Máquina Para Porcos | Capítulo 07

Eu andava pela casa e vi que nela não tinha nada a não ser uma porta que me levava para fora. Lá achei mais uma carta. (SÓ CARTAS!!!)

11 de Outubro de 2009
Integramos as descobertas mais recentes da química, usando baixos níveis de um derivado do Láudano na ração para subjulgar o produto mesmo antes do inicio do processo. Isso significa que, quando tiramos do redis e os colocamos na linha, é menos provável que eles entrem em pânico e danifiquem os componentes da máquina, outros produtos ou a si próprios.

Esta seção da correia esta revestida de borracha e é mantida bem iluminada para manter o bom ânimo. Além disso, descobrimos que o posicionamento inteligente dos gramofones e dos simples tubos de amplificação acústica em torno da linha permitem o uso da música para acalmar ainda mais o produto.

Achamos que Debussy tem uma eficácia particular para esse fim.

Não lembro disso...mais acho que eles, ou eu, estamos tentando reviver Grimmy. Mais como? Por que Grimmy? Podiam reconstruí-lo. Sim, acho que Grimmy está de volta. Quando entro aqui...vejo muito sangue e muitos corpos de porco. Eu não acredito. Estou no laboratório, acho, não sei, uma fábrica talvez. Dando mais vasculhadas por essa "fábrica" advinhem o que eu achei? Exatamente, mais uma carta. (Aff)

28 de Setembro de 2009
"Imaginem só!", dizem, "que um dia uma máquina pudera pensar como um homem!" Como se fosse esse o objetivo. Um individuo pode quase se vangloriar por ter criado um homem que se alimenta como um porco. Homens e mulheres, de quatro, no cio sem reservas ejaculando suas pequenas missivas imundas nas ruas. Nos becos, e nas sarjetas, derramam-se sem parcimônia os líquidos das cópulas. O ar fica espesso como as lástimas da volúpia. Os corpos se atracam com suas próprias emissões. Criamos um mundo em que o homem é tão rebaixado que chega a pulverizar sua semente para os transeuntes. Mesmo assim, era isso que os Decepticons queriam.

Não, não é essa a máquina que buscamos. Uma entidade dessas não deve estar abaixo dessa divindade. Devemos ajoelhar e adora-lo. Não devemos esculpir deuses para rixar e fornicar. Eles existirão para para limpar o mundo e nos libertar. Rejeito os Decepticons da mesma forma que rejeito os humanos do governo. Deixem os porcos copularem nas sarjetas enquanto ainda podem. Vamos recruta-los e facilitar a acensão deles em breve.

Eu só entendi uma coisa: Rolou uma zoofilia com porcos. Só isso, que teve uma orgia louca. É sério que fui eu que escrevi isso? Eu...não me lembro de nada. Esse é o ruim da coisa. Consegui sair da tal "fábrica" e ir para as ruas da cidade. Estava uma noite linda, com uma lua maravilhosa. Quando andava, me lembrava de algo.

-Venha, Optimus. Por aqui. Vamos subir neste daqui. Dá para ver mais quadros lá em cima.

Minha Arcee linda...já estou indo te buscar meu amor. Estranho. Essa igreja e essa fábrica estão ligadas, mais como? Esse caminhão...barra o meu caminho. Bom, perto dele há o que? Outra carta. (CHEGA DE CARTAAAS!!!)

Cronograma de Entregas.
Como é que nós vamos respeitar esses malditos cronogramas se nem o equipamento básico que temos não funciona direito. Esses caminhões novos cheios de parafernálias só percorrem uma fração da distância que a minha velharia dava a conta antes de ficar sem gasolina. O Capataz diz que não há problema e que há várias bombas para reabastece-los. fora dos limites da fábrica, mais acabamos levando um tanque dos caminhão até o posto mais próximo para reabastecer, e o do depósito fica vazio de novo. Não posso ficar girando a manivela o dia inteiro e depois acabar com o tanque vazio! Bem, dane-se. Chega por hoje. Quero a minha cama. Vamos fazer de conta que ninguém precisa ir ao cemitério. Bumblebee, se ler isso, vamos até o Harrison Square para beber!

Nossa, eu entrei em um lugar e achei uma bomba de combustível. Deve ser para algum lugar. Acho que isso, pode me dar a entrada para a igreja que é perto das máquinas. Achei o local. Perto do cemitério de porcos na carreta. Bom, coloquei lá e o líquido começa a ser drenado e O QUE???TERREMOTO!!!

O que? Que...que...que som é esse? O que? Não pode ser. Outra vez. Grimmy...de novo não. Não acredito. Não acredito. Grimmy e ele está quebrando a porta. Não acredito. É ele...outra vez!

Nenhum comentário:

Postar um comentário